Circuito Som nas Pedras resgata raízes culturais e mostra belezas do Lajedo de Juru

O Som nas Pedras movimentou a cidade que ficou lotada de turistas e levou a todos a curtir as apresentações musicais no grande lajedo, que conta ainda com o ornamento no seu topo, a bela Capela de São João Batista. No lajedo, houve a apresentação dos Bacamarteiros (uma arma de fogo, de cano curto e largo).  O folguedo se constitui de homens portando bacamarte, que são disparados com cargas de pólvora seca, em homenagem ao santo padroeiro de Juru, que leva o nome da capela construída em 1960.

O grupo Reisado da Terceira Idade “Alegria de Viver” também se apresentou fazendo cantorias de antigas benzedeiras da cidade, e as apresentações de grupo infantis de dança de balé e xaxado e do grupo de orquestra assistido pelo PRIMA -Programa de Inclusão Através da Música e das Artes. As crianças fizeram bonito e foram um espetáculo a parte da programação de Juru, assim como a Banda Cabaçal do Mestre Zé Pretinho.

O conjunto musical mais típico da região caririense, originou-se no meio dos escravos africanos, segundo alguns estudiosos, mas se desenvolveu e adquiriu suas peculiaridades principais entre o próprio povo do Cariri. A banda foi uma grande atração e agradou aos visitantes recebendo aplausos e elogias pelo desempenho dos senhores tocadores de pífanos, zabumbas e pratos.

Os visitantes também puderam contemplar um belíssimo pôr do sol sob um clima agradável nesta época do ano, como também aprovar e provar da gastronomia regional.

Muitos quitutes variando entre doces e salgados foram vendidos, o que movimentou a economia local. Tudo feito com produtos da agricultura da região. A gastronomia é mais um dos requintes do povo sertanejo apreciados neste evento especial do Estado.

O prefeito do município de Juru, Luiz Galvão falou da alegria de receber em seu município o Programa Som nas Pedras e se disse muito satisfeito com o sucesso do evento na cidade, que ficou em festa e na qual pode mostrar toda a cultura local, com seus artistas, artesãos, além da beleza natural do lajedo, um dos pontos turísticos mais visitados da região. “A gente só a agradecer por tanto empenho do nosso povo, da nossa gente e por essa oportunidade de poder mostrar o que temos de bom na nossa pequena cidade, que encanta a quem vem nos visitar”, completou.

“Esse é o nosso diferencial na Paraíba. Os turistas gostam de ver e provar coisas diferentes e a Paraíba é muito rica na sua diversidade cultural e artística, além da sua gastronomia. Mostramos que somos um Estado forte que desenvolve seu turismo além do seu belo litoral. Temos belos cenários no sertão paraibano e o Som nas Pedras é mais um programa feito em parceria com o governo do Estado e os municípios que participam do circuito com uma extensa programação que vai agradar a todos desde a criança, o jovem, adultos e idosos numa prefeita integração sócio-cultural”. Justificou a presidente da PBTUR, Ruth Avelino.

O mesmo destaque fez o secretário executivo de Estado da Cultura, Milton Dornellas, sobre o Circuito Som nas Pedras. Músico e cantor, Donellas entende bem do riscado e essa é sua praia. Para ele, o que se viu em Juru foi o resultado de um trabalho em equipe. “Só tenho a agradecer a cidade e aos nossos artistas paraibanos. O circuito cumpre o seu objetivo de impactar a economia da região através da cultura, do lazer e dos potenciais geográficos, com um olhar especial para os lajedos da Paraíba", explicou o secretário enfatizando o calendário do evento.

COMPARTILHAR